Bem vindo, visitante!   Registar   Login

Publicar um anúncio

Batata transgênica é registrada na Argentina

    Hortifruti    24/09/2018

“A cultura tem várias limitações para expressar seu potencial de rendimento máximo”

O Ministério da Agricultura da Argentina concedeu o registro para a batata transgênica resistente ao vírus PVY, que já havia sido aprovada pela Comissão de Assistência de Biotecnologia Agropecuária (Conabia) em 2015. De acordo com o agrônomo Julian Pérez Pizarro, a cultura tem sofrido muito com doenças nos últimos anos.

“A cultura tem várias limitações para expressar seu potencial de rendimento máximo como pragas e algumas doenças. As maiores perdas de rendimento são produzidas por nematoides e vírus, que afetam diretamente o desenvolvimento das plantas e determinam perdas significativas de produtividade”, comenta.

A batata transgênica é o resultado do trabalho de cientistas argentinos do Concelho Nacional de Investigações Científicas Técnicas (CONICET), em conjunto com a empresa Tecnoplant. Segundo o Conselho Argentino de Informação e Desenvolvimento da Biotecnologia (Argenbio) esse produto irá resolver um problema de produção que permitirá uma economia de US$ 40 milhões por ano para os agricultores.

O vírus, que é transmitido por insetos, pode causar infecções graves e persistir nas gerações subsequentes de tubérculos. De acordo com a Argenbio, em alguns casos, as infecções podem ser devastadoras e causar perdas de até 70%. O agrônomo Paolo Andres Sanchez Angonova, informou que é extremamente difícil de controlar esse problema, porque esse tipo de vírus possui diversas variações.

“As raças mais comuns são vírus PVYº, PVYC e PVYN, com aparições de novas estirpes de vírus que servem como novas fontes de inóculo para raças como NTN, produzindo sintomas em tubérculos”, informa.

Fonte: Agrolink

 

1055 visualizações, 1 hoje

Produtor de Mirtilos congela pomar para evitar perdas

    Hortifruti    29/08/2018

O produtor de mirtilo e engenheiro agrônomo Juliano Sutil Gorchevski utiliza técnica de congelamento do pomar para evitar perdas com geada.

O objetivo da técnica de envolver as flores e ramos do mirtilo com gelo é proteger do rompimento celular que pode ocorrer à partir de -2ºC. Provoca-se a formação de uma camada de gelo sobre as plantas através da aspersão de água durante um período constante, sem interrupção, quando as temperaturas estão baixas. Normalmente ligamos a aspersão quando a temperatura na noite anterior da geada começa a baixar, chegando em 2 a 3º positivos e somente desligamos a aspersão quando acontecer o desgelo total das plantas na manhã seguinte. Essa técnica é utilizada em todo o mundo, não só para mirtilo.

Funciona assim: As flores e frutas possuem em seu conteúdo aquoso sólidos solúveis, que baixam o seu ponto de congelamento/fusão. Então a água pura livre tem ponto de congelamento a 0ºC, a seiva das flores possuem um ponto de congelamento em torno de -2ºC e dos frutos em torno de -º1C. Isso varia conforme o desenvolvimento e a cultura. Portanto, o gelo formado pela aspersão está a 0ºC, como a água fica caindo constantemente sobre ele rouba energia do sistema não deixando ele baixar de 0ºC.

O princípio físico é o seguinte: as plantas podem ser irrigadas por aspersão quando a temperatura estiver próximo ao ponto de congelamento. Conforme a água se congela sobre as plantas, o calor de fusão é liberado. Continuando o congelamento, a temperatura permanece em torno de 0ºC. A aspersão deve continuar até o amanhecer ou até que a temperatura tenha se elevado o suficiente para impedir a formação do gelo. Portanto, quando se utiliza a irrigação por aspersão, a perda de calor da água para o meio é estabelecida pelo calor específico da água e pelo calor latente de fusão. Isso faz com que a temperatura permaneça até um pouco superior a 0ºC nas folhas, flores e ramos, mesmo que a temperatura do ambiente esteja baixa.

Por: Eng. Agrônomo Eduardo Pagot e Eng. Agrônomo Juliano Sutil Gorchevski

Fonte: hfrural.com

390 visualizações, 1 hoje

TOMATE/CEPEA: Tomaticultura começa a se recuperar em 2018

    Hortifruti    29/08/2018

Confira os preços médios nas principais regiões produtoras

Piracicaba, 28 – A safra de verão 2017/18 (novembro/17 a junho/18) de tomate fechou com preços 36,75% acima dos custos de produção. Na primeira parte da temporada de inverno, em curso, apesar dos preços mais baixos em junho e julho, a rentabilidade também ficou positiva. É o caso de Mogi Guaçu (SP), onde a produção entre maio e junho somou 390 cx/mil pés, preço ponderado de R$ 35,59/cx e custos de R$ 25,25/cx.

Sumaré (SP), que na primeira parte da temporada de inverno produziu 360 cxs/mil pés, teve preço médio ponderado de R$ 39,43/cx e rentabilidade positiva de 13,8%. Paty do Alferes (RJ) enfrentou problemas com a produção em maio, mas as cotações também fecharam no azul até junho: R$ 30,60/cx, 31,15% maior que os custos (R$ 23,33/cx).

Em Venda Nova do Imigrante (ES), entre abril e junho, a caixa foi vendida por R$ 34,44, valor 12,33% superior aos custos de produção (R$ 30,66/cx). Em Araguari (MG), de março a junho, a rentabilidade foi 19% maior, com preço médio ponderado de R$ 30,18/cx.

Apesar desses bons números, não são todos os produtores que se capitalizaram, visto que alguns tiveram produtividade mais baixa e tomates com menores calibre e qualidade, interferindo diretamente nas cotações. Até mesmo aqueles produtores que conseguiram receita positiva na safra de inverno ainda têm dívidas de anos anteriores, sem contar a inadimplência. Assim, pode-se concluir que 2018 é um ano de recuperação para o setor, e não de forte capitalização.

Fonte: hfbrasil.org.br

318 visualizações, 0 hoje

CENOURA/CEPEA: Preços caem em MG

    Hortifruti    27/08/2018

Raízes vinham de duas semanas seguidas de alta

Piracicaba, 24 – A oferta de cenoura na região de São Gotardo (MG) aumentou nesta semana (20 a 24/08) pressionando as cotações, após duas semanas consecutivas de alta. A caixa de 29 kg da cenoura “suja” foi vendida por R$ 22,67, em média, queda de 9,3%. O volume de raízes colhidas foi maior devido à intensificação da colheita das variedades de inverno na praça. Com o clima favorável à produção, o rendimento está alto e alcançou, nesta semana, 79 t/hectare.

Apesar da boa qualidade das raízes, a expectativa para as próximas semanas não é animadora aos produtores, visto que a oferta pode se elevar ainda mais. Além disso, colaboradores do Hortifruti/Cepea afirmam que as vendas não estão boas – os clientes estão comprando em menores quantidades, resultando em acúmulo de cenouras nas lavouras. A menor saída é acarretada pelo fim do mês, período no qual comumente se vende menos.

Fonte: hfbrasil.org.br

341 visualizações, 6 hoje

MANGA/CEPEA: Exportações batem recorde em receita e em volume

    Hortifruti    23/08/2018

Envios aos EUA, contudo, têm início lento

Piracicaba, 22 – As exportações brasileiras de manga estão registrando mais um ano com bom desempenho. Tanto em volume quanto em receita, os patamares atingidos são recordes de toda a série histórica da Secex (Secretaria de Comércio Exterior).

Segundo dados da Secex, o País enviou ao exterior, entre janeiro e julho, 57,3 mil toneladas da fruta, alta de 8,7% em relação ao mesmo período do ano passado. Em receita, foram arrecadados pouco mais de US$ 64 milhões, praticamente estável na mesma comparação. Apesar da estabilidade na receita, pesa positivamente sobre a remuneração de exportadores a valorização do dólar frente ao Real.

Em agosto, se iniciaram as exportações brasileiras aos Estados Unidos, que devem se prolongar até a primeira semana de dezembro, segundo o National Mango Board. A previsão da entidade é de envio de aproximadamente 31,2 mil toneladas de manga, sendo a variedade tommy a principal. Neste início de temporada, há preocupações com o elevado volume de frutas mexicanas no país norte-americano, o que tem derrubado os preços da manga em até 40% na América do Norte, segundo noticiado pelo portal Fresh Plaza.

Fonte: hfbrasil.org.br e Secex

252 visualizações, 1 hoje

BATATA/CEPEA: Com normalização da colheita, cotações recuam no atacado

    Hortifruti    20/08/2018

Oferta deve continuar elevada na próxima semana

Piracicaba, 17 – A batata padrão ágata especial se desvalorizou entre os dias 13 e 17/08 nos atacados do País. No Rio de Janeiro (RJ) a queda foi de 33%, a R$ 34,00/sc de 50 kg; em São Paulo de 32,07%, fechando em R$ 40,57/sc e em Belo Horizonte de 26,69% a R$ 35,79/sc. Esse recuo nos preços já era esperado, tendo em vista que na semana passada, devido às intensas chuvas, muitos produtores não conseguiram colher, mas após a normalização das atividades de campo nesta semana por conta do clima mais firme, o volume ofertado foi maior, elevando novamente a oferta de batata o mercado. De acordo com colaboradores do Hortifruti/Cepea, há sobras de um dia para o outro. Em geral as batatas estão com bons calibre e pele em todas as principais regiões: Vargem Grande do Sul (SP), Cristalina (GO), Sul e Cerrado Mineiro e Sudoeste Paulista. Para a próxima semana, a oferta deve seguir intensa.

 

Fonte: hfbrasil.org.br

 

325 visualizações, 2 hoje

MELANCIA/CEPEA: Fruta registra nova valorização na lavoura

    Hortifruti    17/08/2018

Oferta segue abaixo do previsto

Piracicaba, 17 – As cotações da melancia foram novamente maiores nesta semana (13 a 17/08), tanto nas lavouras de Goiás quanto nas do Tocantins. A oferta esteve novamente menor, principalmente em Lagoa da Confusão e Formoso do Araguaia (TO), devido ao atraso na colheita e à menor produtividade neste mês, segundo colaboradores do Hortifruti/Cepea. Quanto à Uruana (GO), o menor volume já era esperado para o período, já que houve menor concentração no plantio.

Em relação aos preços, a média desta semana foi de R$ 0,57/kg para a melancia graúda (>12 kg) em Goiás e R$ 0,52/kg em Tocantins, avanço de, respectivamente, 20,5% e de 25% em relação à semana passada. Para os próximos dias, espera-se que os preços se mantenham em bons patamares, devido à previsão de manutenção da oferta e elevação das temperaturas no Sudeste, principal centro de comercialização.

Fonte: hfbrasil.org.br

412 visualizações, 1 hoje

ALFACE/CEPEA: Clima pode elevar produtividade

    Hortifruti    16/08/2018

Por outro lado, chuvas podem aumentar incidência de doenças de inverno

Piracicaba, 15 – O clima no decorrer deste mês, frio e sem chuvas, deve seguir favorecendo a produtividade das roças de alface nas regiões paulistas de Mogi das Cruzes e Ibiúna, o que pode elevar a oferta da folhosa. Nesse cenário, as cotações devem recuar em agosto. Porém, com as chuvas no início de agosto e as temperaturas mais baixas, as incidências de doenças de inverno – como míldio e esclereotínia – podem retornar, impactando nas cotações e na qualidade das alfaces.

Em julho, os preços da hortaliça registraram altas. As temperaturas mais baixas durante o mês retardaram o desenvolvimento das folhosas, resultando em pés de menor tamanho e reduzindo o volume disponível para comercialização, principalmente no início do mês. Além disso, o plantio de alfaces também diminuiu, contribuindo para limitar a oferta.

Em Mogi das Cruzes, a variedade crespa teve preço médio de R$ 11,24/cx com 20 unidades em julho, valorização de 2,70% frente a junho. Em Ibiúna, o preço da americana registrou alta de 30,71% na mesma comparação, para a média de R$ 9,15/cx com 12 unidades. Segundo viveiristas, a demanda por mudas também deve continuar baixa neste mês, por conta do menor consumo do produto nesta época do ano.

Fonte: hfbrasil.org.br

340 visualizações, 1 hoje

HORTIFRUTI/CEPEA: Os desafios da modernização das Ceasas no BR

    Hortifruti    16/08/2018

HF Brasil aponta os principais problemas encontrados nas Centrais nacionais

Piracicaba, 16 – A missão das Centrais de Abastecimento do Brasil é “receber, consolidar, classificar, selecionar, armazenar e comercializar alimentos perecíveis frescos, garantindo o escoamento da produção e o abastecimento da população, com qualidade e em um ambiente de comércio justo, tendo como princípio a sustentabilidade das ações”, segundo o Mapa (Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento), em trabalho de 2012 (“Plano de Modernização das Centrais de Abastecimento”). No entanto, será que as Ceasas espalhadas pelo Brasil estão cumprindo essa missão?

Agentes de mercado e técnicos de Ceasas consultados pela Hortifruti Brasil indicam que não – mas estes ressaltam a importância das Centrais na distribuição das frutas e hortaliças no País. É perceptível que as Centrais de Abastecimento têm capacidade limitada, sendo as maiores dificuldades a infraestrutura ultrapassada e a regulação e fiscalização ineficientes. Muitos dos problemas encontrados nas Centrais nacionais são reflexo das faltas de investimentos e de uma política nacional coordenada.

Os atacados representam um elo importante entre a produção e o varejo de pequena e média escalas. Mesmo que uma parte da produção não passe fisicamente pelas Centrais, parcela significativa da comercialização é realizada pelos permissionários. Além disso, trata-se da principal referência de mercado em termos de preços no atacado.

Ou seja, apesar de todas as limitações físicas, regulatórias e administrativas, as quais permissionários enfrentam atualmente, é grande a importância das Centrais dentro do setor de frutas e hortaliças. Para entender melhor o funcionamento e os principais desafios em prol da modernização enfrentados pelas Centrais de abastecimento, a Hortifruti Brasil entrevistou agentes de mercado e técnicos das Ceasas a respeito desse tema.

Para saber os resultados, confira o conteúdo completo na edição de agosto da revista Hortifruti Brasil, clicando aqui.

Fonte: hfbrasil.org.br

399 visualizações, 0 hoje

CITROS/CEPEA: Laranja industrial se valoriza no spot

    Hortifruti    14/08/2018

No mercado de mesa, vendas caem, mas preços seguem firmes

Piracicaba, 10 – A demanda industrial firme em 2018/19 elevou os preços pagos pelas grandes processadoras paulistas no spot. Até semana passada, o valor máximo era de R$ 20,00/cx, colhida e posta na fábrica, mas nesta, os preços chegaram a R$ 24,00/cx nas indústrias de maior porte. Apesar de 10 unidades estarem processando atualmente, apenas seis recebem frutas no segmento spot – as outras se restringem às laranjas próprias e contratadas anteriormente.

Já no mercado de mesa paulista, o clima frio e chuvoso limitou as vendas de citros nesta semana (06 a 10/08), segundo colaboradores do Hortifruti/Cepea. Contudo, a oferta restrita de frutas com boa qualidade tem sustentado os preços da laranja. Alguns produtores, inclusive, interromperam a colheita devido à chuva, reduzindo ainda mais a disponibilidade. No período, a variedade pera foi comercializada a R$ 27,86/cx de 40,8 kg, na árvore, praticamente estável (-0,2%) frente à semana anterior.

Para a lima ácida tahiti, chuvas nas principais regiões produtoras interromperam a colheita da fruta, elevando os preços. Por outro lado, as precipitações devem favorecer o crescimento da tahiti proveniente de novas floradas – com colheita prevista para o fim de setembro. A média de comercialização da variedade, nesta semana, foi de R$ 37,30/cx de 27 kg, colhida, aumento de 5,6% frente à anterior.

Fonte: hfbrasil.org.br

205 visualizações, 0 hoje

Página 1 de 31 2 3
  • O primeiro robô de colheita de framboesa do mundo pronto para funcionar

    por em 30/05/2019 - 0 Comentários

    Cada robô será capaz de colher mais de 25.000 framboesas por dia, superando os trabalhadores humanos que gerenciam cerca de 15.000 em um turno de oito horas, de acordo com a Fieldwork Robotics, um spinout da Universidade de Plymouth. O robô foi levado a julgamento no Reino Unido, com a indústria agrícola enfrentando o aumento […]

  • Conheça a cebola negra e seus benefícios

    por em 14/06/2019 - 0 Comentários

    Esta realização foi obtida pela primeira vez em 2016, através de um processo de secagem em câmara com uma temperatura e humidade específica e sem aditivos artificiais. A cebola comum é transformada em um novo produto com um sabor característico como caramelo. Após análise, os cientistas envolvidos no estudo publicado na revista  LWT – Ciência e Tecnologia […]

  • Sistema robótico de alface para o mercado pronto para consumo

    por em 26/06/2019 - 0 Comentários

    A JBT Corporation, fornecedora de soluções tecnológicas para a indústria global de alimentos e bebidas, anunciou a introdução comercial do FTNON CoreTakr. Um sistema robótico inovador, o CoreTakr usa tecnologia avançada de câmera 3D para remover com precisão e rapidez núcleos indesejados de cabeças de alface usadas nos segmentos recém-cortados e prontos para o consumo. As unidades […]

  • Nova máquina para desinfecção do solo com vapor

    por em 17/07/2019 - 0 Comentários

    Uma máquina que usa vapor para desinfectar o solo com excelentes resultados está finalmente disponível. É semi-móvel, adequado para culturas protegidas e campos abertos, funcionando em todos os casos em que a fadiga do solo deve ser eliminada ou evitada. O vapor elimina os nematóides, fungos e ervas daninhas com um princípio totalmente orgânico. “A Biovap usa […]

  • Empresa belga desenvolve colhedeira de repolho

    por em 03/07/2019 - 0 Comentários

    “A colhedeira de repolho é adequada para diferentes tipos de repolho, como repolho roxo, repolho branco e repolho verde.  Oferecemos dois tipos principais de colhedeiras, uma para o repolho industrial tratado (processamento direto) e outra para o repolho fresco (de armazenamento).  O princípio de colheita é o mesmo para ambas as colhedeiras.” “As presilhas de […]

pt_BRPortuguês do Brasil
en_USEnglish es_ESEspañol pt_BRPortuguês do Brasil
WhatsApp Ajuda